.

O Curso de Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM MISSÃO INTEGRAL E GESTÃO DE PROGRAMAS SOCIAIS esta com inscrições abertas.
NÃO HOUVE FORMAÇÃO DE TURMA MÍNIMA PARA INÍCIO DAS AULAS EM 23/02/2013, TEREMOS QUE AGENDAR NOVA DATA. Contatos com Ana Paula Macedo após as 16:00 hs. Fone: (11) 3105-5552 - Seminário do Betel Brasileiro Site: http://www.betelbrasileiro.com.br/

sábado, 6 de novembro de 2010

Jardim da Cooperação - Editora Ultimato

Através do livro Jardim da Cooperação, a Rede Evangélica Nacional de Ação Social — RENAS quer fortalecer a base evangélica da ação social, compartilhar boas práticas, reflexões bíblicas e experiências históricas, para encorajar e capacitar organizações, igrejas e pessoas a promoverem a transformação integral.

As iniciativas sociais de evangélicos representam hoje uma contribuição considerável para a sociedade brasileira. Por causa da fragmentação e da falta de intercâmbio entre os evangélicos, estas iniciativas são pouco conhecidas.

Há organizações evangélicas cuja eficiência é reconhecida por especialistas. Há projetos como o Instituto Coração de Estudante, em Fortaleza, que em catorze anos favoreceu o ingresso de mais de cem estudantes carentes em Vinte diferentes cursos na Universidade Federal de Fortaleza. Há também as grandes organizações que participam de campanhas nacionais de defesa de direitos e integram redes que influenciam as políticas públicas. Podemos citar igualmente iniciativas históricas, como o Instituto Central
do Povo no Rio, que teve o seu certificado de filantropia assinado por Getúlio Vargas.

Não menos importante é a contribuição de um exército de mulheres e homens evangélicos anônimos que visitam Hospitais, presídios, moradores de rua, e que ocupam espaços nos conselhos municipais, como o da Criança e do Adolescente, da Saúde, da Educação, do Meio-Ambiente, conselhos tutelares e outros.

É incrível a variedade de públicos, de ênfases de trabalho e de programas nas ações desenvolvidas por organizações evangélicas. Desde o atendimento de crianças em creches à defesa de direitos, passando por reabilitação de dependentes químicos, centros produtivos, ações contra o racismo, educação ambiental e agroecologia, comércio solidário, apoio a viúvas e idosos. Vestir o nu, abrigar o órfão, a viúva e o estrangeiro, alimentar o faminto, dar água ao sedento e defender os seus direitos, são ações muito mais complexas nos nossos dias!

Temos uma visão otimista a respeito do que os evangélicos estão fazendo, mas não somos simplistas. Existem muitas coisas que precisam ser corrigidas. Há necessidade de capacitação e profissionalização. Algumas iniciativas têm pouco impacto e muitas delas se concentram nos efeitos, e não nas causas reais dos problemas. Além disso, há o perigo de secularização das ONG’s de orientação cristã. RENAS quer fortalecer a base evangélica da ação social e se identifica com os conceitos da missão integral. Sabemos que muito mais pode ser feito tendo em vista o número de evangélicos no país.

Esta é a vocação de RENAS: por meio da divulgação de boas práticas, reflexões bíblicas e de experiências históricas, queremos encorajar e capacitar organizações, igrejas e pessoas a não se conformarem com as estatísticas e a promoverem a transformação integral.

A justificativa para a existência de RENAS foi bem definida pelo pastor Ariovaldo Ramos: “A existência de um movimento como RENAS é a consciência de que alguém tem um direito que não está sendo satisfeito, observado. Alguém tem uma necessidade que não está sendo satisfeita. Alguém tem uma carência, e tem o direito de ser assistido.

Este é o princípio da Igreja de Cristo, sempre foi” (Trecho do capítulo Cooperativas do reino). Este livro é também uma comemoração dos cinco anos da formalização de RENAS. De 21 a 23 de março de 2003, no
colégio Pio XII, em São Paulo, SP, reunidas na Consulta da Rede Evangélica Nacional de Ação Social, cerca de cem pessoas, representando mais de oitenta organizações, definiram o norte de atuação, os princípios e os objetivos da rede. Em setembro de 2007 RENAS realizou no SESC Venda Nova, MG, o seu II Encontro com o tema “Caminhos alternativos Jardim da Cooperação
Desejamos que novos valores e novas práticas brotem a partir desta leitura.

Klênia César Fassoni, diretora administrativa da Editora Ultimato. Participou do Grupo de Trabalho que promoveu a Consulta de Renas em março de 2003 e atualmente integra o Grupo de Trabalho de Comunicação de Renas.

SUMÁRIO DO LIVRO


Parte 1 – Contribuições bíblicas para o entendimento das relações econômicas

1. Cooperativas do reino, Ariovaldo Ramos

2. Economia e plenitude de vida, C. René Padilla

3. O descanso e as terras livres, Milton Schwantes

Parte 2 – Exemplos históricos de “Redes Sociais Cristãs”

4. O cristianismo como rede de solidariedade, Gustavo A. Leal Brandão

5. Contribuição do Movimento Metodista para o entendimento da indissociabilidade entre evangelização e ação social, Welinton Pereira da Silva

Parte 3 – Panorama da assistência social no Brasil

6. Assistência social e o controle da sociedade, Sílvio Iung

7. A natureza e o papel das ONG’s e denominações evangélicas no terceiro setor no Brasil, Débora Fahur

8. Lançando a rede: um olhar antropológico sobre a constituição da RENAS, Flávio Conrado

Parte 4 – Redes, parcerias, participação popular e desenvolvimento social
9. A formação de redes para o desenvolvimento do terceiro setor, Cristiano R. Heckert e Márcia T. da Silva

10. Ação social e a participação, Jane Maria Vilas Bôas

11. Elaboração e gestão de projetos em parceria com o poder público: oportunidades e riscos, Werner Fuchs

12. A importância da gestão financeira no terceiro setor, Ilídio C. Oliveira Jr.

Parte 5 – Desenvolvimento comunitário

13. Crescendo rumo às intenções de Deus: a aplicação da cosmovisão cristã na área do desenvolvimento comunitário, Mauricio J. S. Cunha

14. Desenvolvimento local integrado e gestão compartilhada, Juarez de Paula

15. A produção social do habitat: estratégias para a sua implementação, Ademar de Oliveira Marques

Parte 6 – Geração de trabalho e renda

16. A agroecologia e a geração de trabalho e renda na agricultura familiar, Paulo Roberto B. de Brito

17. Fundos rotativos: uma alternativa de geração de autonomia, trabalho e renda,

Elza F. Gonçalves e Marcos Gilson G. Feitosa

18. Comércio justo e solidário – uma forma sustentável de fazer negócios, Glayson Ferrari Santos





Abraços
 
Lauberti Marcondes

Nenhum comentário:

Postar um comentário

valeu, pela participação